MAS

Início Internacional

Internacional

Solidariedade com a classe operária e o povo grego!

Solidariedade com a classe operária e o povo grego!No dia 5 de maio a classe trabalhadora e o povo grego voltaram a paralisar completamente o país contra o brutal plano de ajuste da União Européia e do FMI, aplicado pelo governo “socialista” do Pasok. Era a quarta greve geral desde que, em dezembro passado, se desencadeou a crise da dívida grega. Marchas multitudinárias tomaram conta de Atenas e todas as cidades gregas. Dezenas de milhares de manifestantes cercaram e atacaram o parlamento grego, a grande instituição da democracia burguesa, convertido em câmara de preservação dos ditames das grandes potências da União Européia. Os choques com a polícia foram generalizados. Uma nova convocatória da greve geral está em marcha para o dia 20 de maio.

“Querem que voltemos a ser pobres”
O plano de ajuste é draconiano: cortes do emprego público; redução de 25% do salário dos funcionários públicos; redução das pensões em 20%; aumento da idade de aposentadoria; grandes cortes nos serviços públicos; graves retrocessos nos direitos trabalhistas, como a abolição dos convênios coletivos e a liberalização e barateamento das demissões; fortíssima alta de impostos (o IVA sobe de 19 para 23% e a gasolina, o álcool e o tabaco 10%, enquanto se reduzem os impostos aos empresários); privatizações de tudo o que se possa privatizar.

Os trabalhadores gregos têm definido com precisão o objetivo do plano: “querem nos converter em pobres”, “devolver-nos aos anos 50”. É um plano para sangrar selvagemente o povo grego para que os banqueiros alemães, franceses e gregos e outros abutres financeiros sigam enriquecendo com o grande negócio da dívida pública. Para isso, converteram a Grécia em um protetorado econômico sem soberania nacional.

A UE à beira do abismo
A crise grega e seu efeito de “contágio” tem sido o detonador de uma crise geral que tem colocado a Zona do Euro e a UE à beira do abismo e ameaça com uma nova crise financeira mundial, porém mais devastadora que a que se desencadeou após a quebra do Leman Brothers em 2008. Em uma tentativa desesperada de salvamento, a UE aprovou um megaplano europeu de “resgate”, dotado de 750 bilhões de euros, destinado a empréstimos de emergência aos países do Euro em risco de moratória. O FMI (onde os EUA tem voz predominante) vai pagar um terço desses empréstimos. Foi acordado também que o Banco Central Europeu compre dívida pública e privada dos países em perigo e mantenha todas as facilidades de crédito aos bancos. Ao mesmo tempo, os governos da Alemanha e França impuseram um estrito sistema de controle que, ao estilo da Grécia, transforma os países “periféricos” em verdadeiros protetorados econômicos.

A chave do plano de salvamento da UE não é outra que impor um retrocesso histórico à classe trabalhadora europeia. Por isso foram estabelecidos condições drásticas para pertencer à Eurozona e à EU e medidas draconianas para receber os fundos de “resgate”, segundo o modelo grego. Indigna escutar que são empréstimos para “ajudar a Grécia”, quando o povo trabalhador grego não vai ver um só euro dessa “ajuda” mas, pelo contrário, apenas sanções e sofrimentos.

Grécia prenuncia os planos de ajuste para toda a Europa, começando pelos países mais débeis como Portugal, o estado espanhol, Irlanda ou Itália. Os governos espanhol e português já anunciaram um drástico pacote de endurecimento de seus planos de choque. Esses planos estão fadados, além disso, a aprofundar o retrocesso econômico e acabará gerando mais déficit público e mais dívida... até que o país, sangrado e exausto, não possa pagar e se veja obrigado a declarar a suspensão dos pagamentos.

Fora UE! Por uma Europa dos trabalhadores e dos povos”
Grécia deixou em evidência que não há saída dentro da UE nem no marco do respeito às bases do capitalismo. A UE se mostrou como expressão escancarada de toda a Europa do Capital e como um aborto anti-democrática irreformável. A profundidade da crise grega, a catástrofe que representa ao povo grego, só pode ser enfrentada ao se declarar o não reconhecimento da dívida pública, rompendo com o Euro e com a UE e tomando medidas drásticas e urgentes para reorganizar a economia a serviço da grande maioria: expropriando os bancos, nacionalizando as empresas estratégicas, repartindo o trabalho, estabelecendo o monopólio do comércio exterior e buscando a solidariedade de classe dos trabalhadores europeus, na luta comum por uma Europa dos trabalhadores e dos povos, por um Estados Unidos da Europa.

“Somos todos trabalhadores gregos”
O conflito grego é a primeira grande prova da força entre o capital financeiro e a classe trabalhadora europeia, que tem tido a sorte de que esta primeira grande prova se desenvolve na Grécia, o país com a classe trabalhadora mais combativa do continente e onde a burocracia sindical se encontra com mais dificuldades para controlar um movimento operário cuja base tem um importante peso da esquerda classista e combativa.

Os trabalhadores gregos são um exemplo magnífico de combatividade e coragem para toda a classe operária europeia. Eles apontam o caminho a seguir e merecem, como parte mais avançada que são, a mais ampla solidariedade de classe. Todos temos que responder ao chamado dos trabalhadores gregos: “Povos da Europa, levantem-se”. A luta da Grécia é nossa, de todos. Apoiar Grécia e unir forças contra os planos de ajuste é a grande tarefa dos trabalhadores.

Organizar a resistência unificada na Europa
Diferentes organizações sindicais europeias firmaram um manifesto intitulado “Somos todos trabalhadores gregos”, em que afirmam: “Para salvar seu sistema capitalista, os empresários e os acionistas se organizaram internacionalmente: o movimento sindical deve atuar atravessando fronteiras para impor outro sistema diferente (...) Esperamos avançar na instauração de uma rede sindical alternativa na Europa, aberta a todas as forças que queiram lutar contra o capitalismo e o liberalismo. Desenvolvamos e coordenemos as lutas sociais e construamos a resistência comum em toda a Europa! Frente a crise a greve geral é necessária! Nós a queremos construir!”

Liga Internacional dos Trabalhadores - Quarta Internacional
Maio de 2010

Apontamentos da Grécia: Greve Geral de 20 de Maio

Apontamentos da Grécia: Greve Geral de 20 de Maio

1. A primeira questão que fica claro para quem chega de longe a Atenas neste dia 20 de Maio é que de facto houve uma verdadeira greve geral. Os transportes totalmente parados, não circularam nem um metro e nem um autocarro. Há até quem diga que terá sido um erro este sector da classe trabalhadora parar totalmente. Com efeito, na última greve geral, a 5 de Maio, estes transportes funcionaram durante algumas horas para poderem, essencialmente, transportar manifestantes para o centro da cidade onde ocorreria a respectiva manifestação de massas que sempre acompanha o decretar de cada greve geral na Grécia. Assim, disseram alguns, o facto de esta manifestação de hoje ter contado com muito menos gente nas ruas se deveu, em parte, a este factor: não haver transporte para o centro de Atenas. Evidentemente que não terá sido a razão principal porque se passou de 350.000 manifestantes em 5 de Maio para cerca de 85.000 de hoje, haverá certamente outras explicações. De qualquer forma parecia ser consensual no activismo e na media que a manifestação era bem menor que a da última greve geral, mas a amplitude “por baixo”, de paralisação efectiva de serviços, fábricas, portos, universidades, escolas, transportes etc., era bem mais significativa. Suspeita-se que poderá haver algum cansaço ao fim de várias greves gerais e de inúmeras manifestações de massas para tão só uns 4 a 5 meses e, essencialmente, porque estas manifestações parecem não ter um objectivo fundamental a defender, ou uma lei concreta a revogar, são (talvez) mais a expressão de raiva anti-sistema capitalista (e as últimas medidas de austeridade) que coloca tanta gente nos protestos e nas ruas.

Ler mais...

Apontamentos desde a Grécia (II)

Apontamentos desde a Grécia (II)Hoje vou falar um pouco sobre o que fez rebentar a ira dos trabalhadores gregos bem como sobre outros elementos interessantes que estão presentes na actual situação política grega. O governo do suposto “partido socialista” (Pasok) resolveu, para atacar aquilo a que chamam de crise, cortar nos salários dos trabalhadores, primeiro de todos os funcionários públicos e pensionistas e já se fala que o farão para os trabalhadores do sector privado. Os cortes são na ordem, em muitos dos casos, de cerca de 30% do salário e por mês. A particularidade da realidade grega é que devido às (más) negociações das burocracias sindicais com o poder ao longo dos últimos anos, um funcionário público tinha um (relativo) baixo salário, na ordem de uns 800 euros mas que era compensado com vários extras (de acordo com o facto de se têm filhos a cargo, se dominam outras línguas, etc) com o que poderiam fazer crescer o salário para quase o dobro. Os cortes, calcula-se que em muitos casos podem atingir cerca de 300 euros por mês ou um pouco mais, o que equivale a uma renda de casa, por exemplo.
Ler mais...

Apontamentos desde a Grécia

Apontamentos desde a Grécia

Quando falámos pela primeira vez com um estudante na Universidade de Arquitectura de Atenas (com 1000 estudantes) e lhe perguntámos como foram as quatro últimas greves gerais no país ele corrigiu-nos de imediato: “Não sei se foram oito ou dez, mas não foram quatro greves gerais…”. Ficámos abismados. E nomearam a primeira, a segunda (em 10 de Fevereiro), a terceira (24 de Fevereiro) a quarta (parece que de dois dias em 21 e 22 de Março) e as seguintes já tinham perdido a conta.

Ler mais...

Nem Deus nem César

Nem Deus nem César

De repente, na histeria da recepção a Bento XVI, os nossos fazedores de opinião puseram-se a zurzir forte e feio nos preconceitos laicistas, jacobinos e maçons. Que são preconceitos esquemáticos, que pretendem separar hermeticamente o que é de deus e o que é de césar, que confundem um Estado laico com uma sociedade laica e assim por diante.

Acontece que todo este palavreado é, ele próprio, esquemático, porque toma como alvo o laicismo republicano e burguês da Primeira República. Esse laicismo burguês há muito que está morto e enterrado. Ele é um alvo fácil porque fracassou. Concebia o combate ao obscurantismo religioso como revolução cultural, quando na realidade esse combate só é possível mediante uma revolução social.

Ler mais...

Façamos como na Grécia!

Façamos como na Grécia!

Os trabalhadores de toda a Europa estão ao lado dos trabalhadores gregos!

Os trabalhadores gregos, com a sua corajosa luta, estão a dar o exemplo de que como deve proceder a classe trabalhadora europeia frente à chantagem dos seus governos e os seus planos de austeridade. Greves gerais e mobilizações de massa, cada vez mais radicalizadas, sucedem-se naquele país, cujo governo, liderado pelo partido socialista grego (PASOK) do primeiro-ministro George Papandreou, quer impor aos trabalhadores e ao povo grego medidas ainda mais duras que as contidas no PEC português.

Ler mais...

Todo apoio à luta do povo palestiniano! Pelo fim do Estado de Israel!

Todo apoio à luta do povo palestiniano! Pelo fim do Estado de Israel!Declaração da Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional (LIT-QI), publicada poucos dias antes da entrada de tanques e veículos blindados israelitas em Gaza, em finais de Março, na primeira incursão de Israel naquele território após o genocídio praticado em Janeiro de 2009, quando o exército de Israel matou 1.400 palestinianos, a maioria civis. A tensão cresce nos territórios palestinianos, devido à política provocatória de Israel, que pretende ampliar os colonatos em Jerusalém e pressiona o Egipto para ultimar a construção de um muro subterrâneo ao longo de sua fronteira com Gaza, para impedir a passagem de palestinianos e reforçar o cerco. O Hamas classifica esta obra de “muro da morte”.
Ler mais...

A morte de Orlando Zapata Tamayo e as liberdades em Cuba

A morte de Orlando Zapata Tamayo e as liberdades em CubaA morte do preso cubano Orlando Zapata Tamayo, logo após uma longa greve de fome, tem provocado uma grande polémica internacional. É que as circunstâncias do caso e a sua repercussão internacional têm demonstrado de forma chocante a actuação do governo cubano e qual deve ser a atitude das organizações de esquerda em casos como este. O debate obriga-nos a aprofundar o tema e leva-nos a responder a pergunta sobre o que é actualmente o Estado cubano.
Ler mais...

A crise grega e a União Europeia

A crise grega e a União EuropeiaO rebaixamento da qualificação internacional da Dívida Pública grega, em Dezembro passado, foi o sinal para o desencadeamento de uma grande onda especulativa, que deixou a Grécia em estado de choque e desencadeou o pânico no seio da União Europeia (UE). O problema era que a Grécia devia refinanciar 53.000 milhões de euros de dívida em 2010, mas já não podia fazê-lo e ia entrar em suspensão de pagamentos.
Ler mais...

Chile: governo é incapaz de responder à catástrofe

Chile: governo é incapaz de responder à catástrofeNa madrugada de 27 de Fevereiro, grande parte de nosso país foi atingida por um terramoto, sentido desde Coquimbo, no Norte, até Valdivia, no Sul; na zona central do país, de Santiago a Conceição, o terramoto foi devastador. Como sempre, os mais atingidos foram os trabalhadores e o povo.
Ler mais...

8 de Março: 1910 – 2010, cem anos de luta contra a exploração, o machismo e pelo socialismo

8 de Março: 1910 – 2010, cem anos de luta contra a exploração, o machismo e pelo socialismo No ano em que se comemoram os 100 anos do Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, a Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional (LIT-QI) conclama a que a crise seja paga pelos capitalistas e apela ao total apoio às mulheres trabalhadoras e pobres do Haiti (foto).
Ler mais...

Greve geral paralisou a Grécia

Greve geral paralisou a GréciaNo dia 24 de Fevereiro, na semana passada, o país europeu mais afectado pela crise económica praticamente parou, no segundo dia de greve geral só naquele mês. A Grécia já havia parado no último dia 10, quando funcionários públicos e privados cruzaram os braços contra a política de cortes, aumento de impostos e redução salarial do governo. Desta vez, mais de dois milhões de trabalhadores pararam, registando uma escalada nas mobilizações contra o governo do “socialista” George Papandreou.
Ler mais...

Contra as ameaças imperialistas ao Irão!

A disputa que envolve o programa nuclear iraniano aumentou no início de 2010, elevando o nível das acusações, pressões diplomáticas e ameaças de sanções económicas ao Irão. Já se fala novamente da possibilidade de “conflito militar”, com um possível ataque dos EUA, ou inclusive de Israel, ao país. Está-se a desenvolver uma agressiva campanha internacional, encabeçada pelos EUA e Israel, com o objectivo de pressionar as outras potências mundiais a aceitar medidas mais duras contra o Irão. A campanha procura também convencer e preparar a opinião pública internacional para este possível ataque militar ou, mais provavelmente, para aplicar sanções ainda mais duras que as já existentes.
Ler mais...

Uma nova onda da luta de classes na Turquia

Uma nova onda da luta de classes na TurquiaEstá em curso uma nova onda da luta de classes na Turquia, a que não assistíamos já há muito tempo. Os trabalhadores da TEKEL encontram-se numa verdadeira mobilização de massas. (TEKEL significa “monopólio” e reflecte o monopólio estatal das indústrias do tabaco e do álcool. Primeiramente foi privatizada a secção do álcool, e a seguir as fábricas do tabaco e dos cigarros foram vendidas à British American Tobacco Company.)
Ler mais...

Acordo de Guaymuras: um pacto contra o povo hondurenho

Acordo de Guaymuras: um pacto contra o povo hondurenho

Em 30 de Outubro passado, foi assinado o chamado Acordo de Guaymuras (primeiro nome que os espanhóis deram a Honduras) entre os representantes do governo golpista de Roberto Micheletti e os do presidente deposto Manuel Zelaya, que determina o possível retorno de Zelaya ao poder.

Ler mais...

mupi_travar_austeridade_x300.jpgmupi_prisao_e_confisco_x300.jpg

mupi_fim_privilegios_web150mupi_euro_afunda_web_150mupi_prisao_web150mupi_fim_privilegios_web150
Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Contacta-nos

Email: mas@mas.org.pt

MAS nas redes sociais:

facebook_iconyoutube_icon

Boletim electrónico do MAS

Subscreve o boletim electrónico do MAS e com conta, peso e medida receberás informação das novidades da nossa página.