MAS

Início Internacional

Internacional

A França mostrou o caminho: “Povos da Europa, levantem-se”

A França mostrou o caminho: “Povos da Europa, levantem-se”

A União Europeia declarou guerra à classe trabalhadora e aos povos da Europa. "Sarkozy declarou-nos guerra", disseram os trabalhadores franceses, referindo-se às medidas do governo e, em particular, ao aumento da idade da reforma, que provocou a actual onda de mobilização, a maior desde 1995.

Ler mais...

O maior desafio em mais de 60 anos na Inglaterra

O maior desafio em mais de 60 anos na InglaterraO Sindicato dos Transportes (RMT) convocou uma manifestação para 23 de Outubro, em Londres, contra os cortes de "austeridade" e marchou até a sede do TUC (Federação Sindical Nacional) exigindo uma acção imediata contra os cortes. A marcha foi apoiada pelo FBU (sindicato de bombeiros), o NUT (sindicato de professores) e outros sindicatos. Cerca de 1500 pessoas participaram da manifestação.

No comício, Matt Wrack, o líder do FBU, falou sobre a greve iminente dos bombeiros em Londres. "Os patrões estão dizendo – andem na linha ou vamos despedi-los. Bem, nós estamos andando... em greve".

Em 20 de Outubro, dia em que o governo anunciou os cortes mais profundos desde a 2ª Guerra Mundial, 2,5 mil marcharam em Londres em oposição, e em todo o país muitas outras manifestações foram realizadas. Existem outras manifestações previstas, no entanto, a liderança do TUC recusou-se a convocar uma manifestação nacional.

Na Escócia, o TUC escocês mobilizou e 20 mil marcharam em Edimburgo.

Durante a passeata, estudantes realizaram um protesto gritando "Somos todos franceses". A população da Escócia é de cerca de 5 milhões, e uma mobilização equivalente na Inglaterra e no País de Gales teria visto 200 mil ou mais nas ruas de Londres.

A paralisia do TUC é para tentar impedir qualquer manifestação nacional das massas até Março de 2011. Entretanto, a acção está sendo tomada agora pelos sindicatos que estão sob ameaça imediata, como no caso dos cortes para o serviço de combate a incêndio em Londres e os ataques aos empregos no sector ferroviário.

Uma vez iniciados os cortes, não existirá um único sector onde os trabalhadores não serão ameaçados. George Osborne, o ministro da Fazenda, anunciou cortes de 490 mil empregos no sector público, e é amplamente reconhecido que isto significa mais 500 mil no sector privado. Haverá um corte total combinado de £18 mil milhões nos benefícios sociais (desemprego, habitação, criança, invalidez e benefícios relacionados com o trabalho) e, em 2020, a idade da reforma será aumentada para 66 anos (hoje é de 60 para as mulheres, mas em crescimento, e 65 para os homens). Ocorreram cortes de pelo menos 20% em muitos Ministérios.

Há um corte de pelo menos 40% para o financiamento das Universidades e de 20% nas instituições de ensino superior. Isso vai significar o fechamento de algumas universidades e faculdades, e isso significa que os pobres serão impedidos de fazer cursos caros, pois as taxas escolares irão dobrar.

Quando George Osborne anunciou o corte de empregos no sector público, os parlamentares conservadores esqueceram a sua interpretação pública de "assistência, uma nação" [1] e aplaudiram, revelando um desprezo indisfarçável à classe trabalhadora.

Estes cortes dizem respeito à privatização da previdência social. Os serviços públicos serão contratados no sector privado, e os serviços públicos estatais serão cortados. O RMT e outros estão chamando os dirigentes sindicais a preparar uma manifestação nacional este ano, e muitos sindicatos farão greves quando os cortes atingirem as suas bases de servidores públicos e os seus empregos. Alguns sindicatos são obrigados a mostrar que estão respondendo, tomando medidas sob seu controle, tais como a criação de novos comités de base, mas proporcionando-lhes poucos recursos e também realizando actos de protesto com convocação apenas na véspera.

Os ataques aos trabalhadores só podem ter sucesso para a burguesia e o governo se gerarem novas divisões e ataques mais profundos sobre os pobres, mulheres, jovens e imigrantes. Já nesta semana, o cardápio de um hospital público não continha alimentação muçulmana. Os pacientes que a necessitem têm de arrumar a sua própria refeição. Este é mais um ataque a muçulmanos e comunidades de imigrantes.

Alguns distritos de Londres já começaram a preparar um êxodo em massa de 200 mil pobres das áreas mais ricas da cidade. Esta é uma consequência do ataque contra os subsídios à habitação, que ajudam a reduzir o valor das rendas e hipotecas para os trabalhadores com baixos salários e os desempregados. O subsídio à habitação deverá ser limitado a valores abaixo das taxas de mercado e deverá chegar a 30% da taxa de mercado até Outubro de 2011. Isso significa que uma limpeza social e económica em massa está sendo preparada nas cidades.

Os trabalhadores deste país estão a entrar num período que vai mudar as relações de classe e de luta, mas as burocracias sindicais estão tentando controlar e suprimir a reacção da classe. Os sindicatos que estão se movendo para a luta precisam ajudar a coordenar uma acção mais ampla, reunindo estudantes, trabalhadores, comunidades e imigrantes num movimento que exija o fim dos cortes e com uma mensagem clara de que não vamos pagar pela crise dos especuladores e banqueiros. Esse é o entendimento das comissões contra os cortes que começam a desenvolver-se em toda a Grã-Bretanha.

[1] Uma nação (one nation): termo usado para referir-se a uma ala do Partido Conservador que prega a "união entre ricos e pobres" na Inglaterra, em oposição à polarização social existente entre as classes.

Ralph Martin
Membro do Sindicato de Professores Universitários (UCU), do Conselho Sindical de Liverpool e do movimento contra os cortes.

A esquerda socialista e o segundo turno no Brasil

A esquerda socialista e o segundo turno no Brasil

A polarização entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) esquentou o debate sobre a melhor forma de combater a direita nas eleições presidenciais deste domingo no Brasil. Há uma grande pressão do governo e dos seus apoiantes no sentido de votar Dilma "para evitar a volta da direita". Temos completo acordo com a luta contra a oposição de direita. Somos radicalmente contra a volta da turma do FHC [Fernando Henrique Cardoso, presidente que governou o Brasil antes de Lula].

 

Ler mais...

Defendamos os trabalhadores cubanos contra o ajuste capitalista

Defendamos os trabalhadores cubanos contra o ajuste capitalista

Recentemente, tornou-se público que o Estado cubano vai demitir 500.000 trabalhadores (10% da força trabalhista do país), como parte de um plano de ajuste bem mais profundo. Gerou-se um grande debate na esquerda mundial sobre o significado desta medida, que se soma à polémica já existente, há vários anos, sobre qual é a verdadeira realidade em Cuba.

 

Ler mais...

Como vencer Sarkozy?

Como vencer Sarkozy?

É esta a pergunta que estão a fazer milhões de trabalhadores franceses, que já foram às ruas em gigantescas manifestações e paralisaram sectores essenciais da economia, como as refinarias, os portos e os comboios, tudo para derrotar o projecto do governo de aumento da idade da reforma. Mas, até agora, apesar do apoio dado aos manifestantes por 70% da população, o enfraquecido e impopular governo de Nicolas Sarkozy não retirou o seu projecto de reforma e, inclusive, pretende aprová-lo no Senado nesta quarta-feira, dia 20 de Outubro. O que faz falta para dar o xeque-mate ao governo?

Ler mais...

PSTU apela ao voto nulo na segunda volta no Brasil

PSTU apela ao voto nulo na segunda volta no Brasil

Como lutar contra a direita nas eleições? Votando nulo. Temos dois representantes da grande burguesia e da direita nessa segunda volta. Dilma é apoiada pelo PT, pela CUT e por uma parte da esquerda, por expressar a colaboração de classes entre a grande burguesia e os trabalhadores. Essa é a grande confusão política existente hoje entre os trabalhadores. Não ajudaremos a ampliar essa confusão.

Ler mais...

Declaração da Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT) sobre os acontecimentos do dia 30 de Setembro no Equador

Declaração da Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT) sobre os acontecimentos do dia 30 de Setembro no EquadorNo dia 30 de Setembro, no Equador, várias centenas de policiais tomaram os principais quartéis em Quito, contra a nova Lei do Serviço Público que lhes retirava direitos de bonificações e condecorações. Esta acção espalhou-se a outros quartéis em várias cidades.

Um sector minoritário das Forças Armadas aderiu à revolta e, ainda que por pouco tempo, um grupo de militares da Força Aérea tomou o aeroporto de Quito que esteve várias horas fechado durante esse dia.

Diante desses protestos, o presidente Rafael Correa foi directamente ao quartel da polícia de Quito e, numa atitude desafiante, acusou os policiais de conspiradores e traidores, tendo sido atingido com gás lacrimogéneo pelos policiais insubordinados. Em seguida, o presidente foi levado para o hospital da polícia, no interior do quartel, onde permaneceu longas horas.

O presidente afirmou que estava sendo vítima de um golpe de estado. A sua permanência no hospital foi anunciada como um sequestro. Dentro do hospital, o presidente manteve negociações com os policiais e já havia acertado a sua saída do quartel. Ao mesmo tempo, foi montado um operativo pelo exército e pelas forças especiais da polícia para retirá-lo do hospital, o que ocasionou confrontos com os policiais. O presidente Correa saiu do hospital, alertou contra os golpistas e anunciou firmeza e castigo aos policiais revoltosos. A calma voltou a reinar no Equador.

Uma revolta policial, não um golpe

Está na memória dos trabalhadores da América Latina as décadas passadas nas quais o imperialismo utilizou o método dos golpes de estado para garantir os seus interesses na região. Milhares de trabalhadores, activistas e militantes perderam as suas vidas por golpes de estado, que impuseram ditaduras sangrentas. Contra um golpe militar seríamos os primeiros a chamar à mobilização democrática nas ruas. No entanto, não acreditamos que seja isto que ocorreu no Equador em 30 de Setembro passado. Dois aspectos centrais levam-nos a afirmar que não existiu um golpe no Equador.

Em primeiro lugar, nem a cúpula militar nem a cúpula da polícia apoiaram as mobilizações dos revoltosos, estando desde o princípio fiéis ao governo. Pelo contrário, os protestos dos policiais que incendiaram o país foram dirigidos pelos baixos e médios comandos da polícia, contra a vontade de seus dirigentes hierárquicos.

Em segundo lugar, não existia nenhuma direcção - nem sequer a dos policiais revoltosos - que exigisse a destituição do presidente. Os policiais reivindicavam a revogação da lei de serviço público, mas não a sua destituição pela força. Por outro lado, todos os representantes do estado burguês e da burguesia pronunciaram-se contra o suposto golpe e pela defesa da "democracia". Tanto as instituições políticas como militares do estado burguês mostraram o seu apoio a Correa.

A maior expressão disso é que o estado de excepção é uma medida que dá poderes excepcionais ao Presidente para legislar por decreto e dá mais força ao exército para intervir. No entanto, o estado de excepção foi imposto pelo governo (e não pelos policiais), apoiado nos militares que estavam a seu lado desde o começo. Além disso, durante todas as operações (inclusive dentro do hospital), Correa manteve o comando do governo e do país, comunicando-se livremente com o exterior. Foram os próprios militares que retiraram Correa do hospital onde estava internado (para ser tratado por médicos) e foram as forças especiais da polícia que libertaram o presidente de seu suposto sequestro, numa acção desnecessária, pois a sua saída do hospital já estava negociada.

Por último, é necessário ressaltar que Correa teve, desde o início, o respaldo não só dos governos "progressistas" com quem se relaciona mais proximamente, como Chávez ou Evo Morales, mas também dos governos mais de direita da América Latina, como os do Chile, Colômbia ou Peru, ao ponto de os países fronteiriços terem fechado as suas fronteiras.

Por fim, tanto a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) quanto a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a ONU saíram em defesa do presidente Correa e da legalidade democrática. A embaixadora dos EUA fez declarações no mesmo sentido, da mesma forma que outros países imperialistas como a Espanha. Por isso, o suposto golpe contra Correa seria extremamente raro, pois teria contra si desde o principal país imperialista até os governos "progressistas".

Um protesto contra os ataques de Correa aos trabalhadores públicos

Este protesto policial não pode ser entendido como um ato isolado. Ao contrário, é uma expressão distorcida do descontentamento popular, que se dá pela imposição de leis que cortam direitos dos trabalhadores e, também, da polícia.

Por isso, o que faz explodir a actual situação é a aprovação da nova Lei do Serviço Público (LOSEP), que reduz direitos dos trabalhadores públicos. No caso da polícia, corta directamente as bonificações e condecorações, levando-os à reivindicação de exigir a revogação da lei.

Esse protesto se deu no contexto de um desgaste mais geral de vários sectores com as políticas e leis aprovadas pelo governo de Correa, como os estudantes com a Leis de Ensino Superior, os indígenas e camponeses com a Lei da Mineração e os trabalhadores públicos com a Lei do Serviço Público. Esta sublevação dos policiais foi, como não poderia deixar de ser, utilizada por um sector da oposição, dirigido por Lucio Gutiérrez, para ganhar espaço contra Correa.

O descontentamento diante da Lei do Serviço Público teve, além disso, reflexos no processo de votação na Assembleia. O presidente Correa não conseguiu, por exemplo, que os membros da Assembleia participantes da Alianza País (movimento dirigido pelo próprio Correa) aceitassem a lei tal como foi apresentada pelo presidente e acabassem por votar contra a proposta de que os trabalhadores se aposentem aos 70 anos.

Correa usa a ameaça de golpe para continuar a atacar os trabalhadores

Todos esses elementos conformam um crescente desgaste do regime e do governo de Correa ante a recente aprovação das Leis de Ensino Superior ou a do petróleo. No caso de outras leis, o presidente não conseguiu que fossem aprovadas, como foi o caso da Lei da Comunicação ou a Lei da Água, que tiveram que ser arquivadas pela resistência indígena.

Todo este panorama tem provocado uma insatisfação de importantes sectores de trabalhadores, camponeses, indígenas, estudantes, servidores públicos que começavam a se mobilizar. Além disso, alguns dos próprios membros do bloco governista começaram a questionar alguns aspectos das leis assinaladas. As mais importantes instituições do estado, como a Assembleia, o sector judicial (recordemos o escândalo em que esteve envolvido o promotor Pesántez, milhares de delitos que ficam na impunidade) e o próprio executivo por suas atitudes claramente autoritárias, experimentam uma queda de sua popularidade e configuram uma crise do regime.

Diante desta situação, inclusive antes dos acontecimentos do dia 30 de Setembro, o governo já tinha lançado a possibilidade de decretar o mecanismo constitucional de "morte cruzada", que lhe permite dissolver a Assembleia e convocar novas eleições. Isto é, a utilização de medidas autoritárias para conseguir levar a cabo a sua política antioperária, garantindo assim melhores condições para os interesses imperialistas na região.

A associação das mobilizações da polícia a uma tentativa de golpe serve, plenamente, às necessidades do governo Correa, isto é, de usar mão de ferro para atacar os trabalhadores. O discurso do golpe e a sua resolução permitem-lhe, assim, sair mais fortalecido - após diversas manifestações nacionais em seu apoio - e desprestigiar a oposição de direita e de esquerda. Permitem-lhe, ademais, justificar várias medidas autoritárias que tinham ajudado a disciplinar diversos sectores à sua política. Neutraliza os mais críticos de seu próprio movimento e submete-os à disciplina partidária.

O governo assumirá a reestruturação da Polícia com plena legitimidade, uma vez que esta instituição não goza de boa reputação frente a amplos sectores da cidadania por sua corrupção e os seus abusos contra os direitos humanos. Na realidade, o governo busca reverter a crise do regime e avançar em seu projecto de reestruturação jurídica do Estado através da imposição das controvertidas leis consideradas prioritárias. Possivelmente, já não precisará da "morte cruzada", que implicava um alto risco político.

A maioria da esquerda capitula a Correa

A Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE), principal organização indígena do Equador, e outros sectores políticos de esquerda, como o Movimento Popular Democrático (MPD), tinham denunciado a manobra do governo Correa. No entanto, apesar dos diversos dados apontando para a não existência de um golpe, a ampla maioria da esquerda a nível internacional apoiou Correa contra a "suposta" tentativa de golpe. Desta forma, não fez mais do que apoiar directamente o governo burguês de Correa, que ataca os trabalhadores para melhor garantir os interesses do imperialismo na região.

As manifestações contra o suposto golpe não foram mais que manobras de distracção para o que está realmente acontecendo no Equador e em muitos outros países dirigidos por supostos governos "progressistas", que governam para as burguesias contra os trabalhadores.

Para conseguir a aplicação de suas leis a serviço dos interesses do imperialismo, Correa já tinha recentemente reprimido as mobilizações indígenas e camponesas antimineradoras e contra a Lei do Petróleo, que entrega este recurso natural à exploração das multinacionais. Esta política da maioria da esquerda de apoio qualquer chamado de mobilização contra o suposto golpe desarma a classe trabalhadora contra as medidas antidemocráticas e a repressão que o governo de Correa leva a cabo para implementar as suas políticas. Por isso, estamos contra qualquer castigo aos policiais que se mobilizaram, uma vez que somente seria uma medida a mais do governo para cercear a liberdade de protesto e contestação.

A capitulação a esses governos desarma também os trabalhadores e os povos para lutar contra a verdadeira política do imperialismo, de rapina dos recursos naturais e exploração cada vez maior dos povos da América Latina, levada a cabo por governos como os de Correa, Evo Morales, Lula, etc. Quando Chávez e Evo Morales acusam os EUA pelo suposto golpe, estão na verdade escondendo a submissão de Correa e de seus governos aos interesses do imperialismo.

A grande ameaça para os trabalhadores e o povo do Equador hoje é o governo Correa

Nós estamos contra os golpes militares, pois defendemos as mais amplas liberdades democráticas para que a classe trabalhadora e a população pobre possam levar adiante as mais amplas lutas para derrubar o capitalismo.

No entanto, a grande ameaça hoje às liberdades democráticas dos trabalhadores é o governo Correa pela repressão contra os trabalhadores e as medidas autoritárias de governar por decreto e por veto quando não consegue o que lhe interessa na Assembleia. As medidas autoritárias do governo são uma necessidade de sua política de submissão ao imperialismo e de ataque aos trabalhadores.

Por isso estamos contra qualquer apoio a Correa e nos recusamos a participar de qualquer frente para defender este governo de uma ameaça de golpe que não existe. Defendemos também a total independência de classe das organizações dos trabalhadores frente ao governo como a única forma de impulsionar uma ampla mobilização que possa derrotar estas leis antioperárias e autoritárias.

Secretariado Internacional
Liga Internacional dos Trabalhadores (Quarta Internacional)

São Paulo, 4 de Outubro de 2010

Os despedimentos em Cuba e algumas reacções da esquerda portuguesa

Os despedimentos em Cuba e algumas reacções da esquerda portuguesa

Em Agosto deste ano, o dirigente cubano Raúl Castro anunciou o despedimento de mais de 1 milhão de funcionários públicos, isto é, entre 25% a 30% dos trabalhadores do país. Castro justificou a medida como fazendo parte de "importantes decisões que constituem em si mesmas uma mudança estrutural e de conceito com o objectivo de preservar e desenvolver o nosso sistema social e fazê-lo sustentável no futuro" (Granma, 2/8). E acrescentou: "É preciso acabar para sempre com a noção de que Cuba é o único país do mundo em que se pode viver sem trabalhar".

Ler mais...

Luta recomeça na Europa: França e Grécia na vanguarda, Espanha com greve geral convocada

Luta recomeça na Europa: França e Grécia na vanguarda, Espanha com greve geral convocada

Dois acontecimentos políticos de primeira grandeza marcam a retomada da luta social na Europa após as férias de Verão: a greve geral na França, a 7 de Setembro, com mais de 2 milhões de manifestantes nas ruas de várias cidades, e a manifestação, a 11 de Setembro, em Salónica, segunda maior cidade da Grécia, com milhares de pessoas.

Ler mais...

Acidente na mina chilena: reality show ou tragédia anunciada?

Acidente na mina chilena: reality show ou tragédia anunciada?

Na primeira semana de Agosto, um acidente na mina São José, localizada perto da cidade de Copiapó, região de Atacama, Chile, deixou 33 trabalhadores mineiros presos e isolados dentro dos túneis da mina. Durante vários dias, não se soube se havia sobreviventes, mas depois conseguiu-se entrar em contacto com eles e saber que estavam bem, pois tinham alcançado um refúgio com oxigénio, água e alimentos.

Ler mais...

Maputo: a revolta da fome

Maputo: a revolta da fome

A revolta popular em Maputo continua. Ao ler este artigo, ouça o rapper Azagaia, no vídeo abaixo, e leia também o artigo deste link: http://rtp.pt/noticias/?t=Cantor-mocambicano-tornou-se-simbolo-da-revolta.rtp&article=372091&visual=3&layout=10&tm=7

No dia 1º de Setembro, já os sms tinham circulado para convocar a greve em Maputo contra os aumentos dos preços do pão, da água e da electricidade, um representante do governo lembrou Maria Antonieta. Em entrevista à Rádio Moçambique, no programa "Café da manhã", a ilustre personagem apelou aos ouvintes para, em substituição ao pão, comerem batata doce. Ignorância e prepotência caminham, como sabemos, muitas vezes de mãos dadas. Horas depois, a polícia e o exército do mesmo governo chefiado pela Frelimo disparavam sobre a multidão desarmada.

 

Ler mais...

Declaração sobre o voto favorável do Bloco de Esquerda ao empréstimo do governo português à Grécia

Declaração sobre o voto favorável do Bloco de Esquerda ao empréstimo do governo português à Grécia

1. No dia 7 de Maio último, o Parlamento português aprovou por maioria o empréstimo financeiro de Portugal à Grécia, na ordem dos 2064 mil milhões de euros. O empréstimo teve os votos favoráveis do PS, PSD, CDS e Bloco de Esquerda (BE) e os votos contra do PCP e Verdes.

Ler mais...

Solidariedade aos trabalhadores da UPS despedidos em Espanha

Solidariedade aos trabalhadores da UPS despedidos em Espanha

Multinacional americana que actua na área da logística despediu 18 trabalhadores do centro de Vallecas, em Madrid, com o objectivo de derrotar o movimento organizado e combativo que ali existe, o que facilitaria a extinção dos direitos laborais e a instalação da precariedade e dos baixos salários. Transcrevemos, a seguir, a carta do Comité de Empresa dos trabalhadores de UPS Vallecas a denunciar a empresa e a pedir a solidariedade dos trabalhadores e dos seus sindicatos e associações.

Ler mais...

Eleições no Brasil: PSTU é a única alternativa operária e socialista

Eleições no Brasil: PSTU é a única alternativa operária e socialista

No próximo mês de Outubro serão realizadas eleições gerais no Brasil. O processo eleitoral ocorre num momento de relativa tranquilidade para a burguesia brasileira e para o próprio governo Lula.

Ler mais...

A burca em questão

A burca em questão

O governo de Nicolas Sarkozy, que se orgulha de ser considerado um dos governos europeus que mais respeita as liberdades individuais, prossegue na sua cruzada contra os muçulmanos.

Ler mais...

mupi_travar_austeridade_x300.jpgmupi_prisao_e_confisco_x300.jpg

mupi_fim_privilegios_web150mupi_euro_afunda_web_150mupi_prisao_web150mupi_fim_privilegios_web150
Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Contacta-nos

Email: mas@mas.org.pt

MAS nas redes sociais:

facebook_iconyoutube_icon

Boletim electrónico do MAS

Subscreve o boletim electrónico do MAS e com conta, peso e medida receberás informação das novidades da nossa página.