MAS

Trinta anos da morte de Nahuel Moreno

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

moreno01Hoje recordam-se trinta anos da morte de Nahuel Moreno. O passar dos anos pode tornar mais objetiva a apreciação sobre sua obra e vida militante, mas às vezes a distância pode ajudar a desconhecer seu papel.

Moreno pertenceu àquela geração que teve que reconstruir a IV Internacional após a Segunda Guerra, quando o stalinismo estava em seu auge em termos de prestígio e força, com a expropriação da burguesia em vários países da Europa Oriental e principalmente com a revolução chinesa de 1949. Moreno pertenceu a essa geração. O balanço de sua obra ainda não conta com biografias meticulosas. O destino da corrente que fundou, com as divisões quase que intermináveis a partir da explosão do MAS da Argentina dificultam esse balanço, mas espero que ainda seja feito pelos que se debruçarem sobre os registros materiais e orais.

Em primeiro lugar, as ideias da corrente que animava àquela época me fizeram compreender as questões que me preocupavam: o balanço da experiência trágica da Unidade Popular Chilena, a experiência da guerrilha latino-americana e as bases teóricas para o rechaço à colonização sionista na Palestina.

Neste dia me veem à memória algumas das ocasiões que tive contato direto com Moreno, particularmente na primeira fase da nova organização no Brasil, quando eu exercia um papel de dirigente. São elas que menciono nesta pequena nota.

A primeira vez que o vi pessoalmente foi ao final de 1973, na sede do velho PST argentino na rua 24 de novembro, no centro de Buenos Aires. Estávamos em uma reunião, discutindo a proposta de voltarmos ao Brasil para construir a nossa recém fundada Liga Operária.

Praticamente todos os participantes da reunião (creio que era um Comitê Executivo ampliado do PST) estavam contra a nossa volta pelos perigos que encerrava a operação e por nossa pequena experiência. Vendo nossa obstinação (em particular os companheiros mais velhos que eu, o Jorge Pinheiro e a Zezé (Maria Jose Lourenço), Moreno, disse que apenas queriam expressar sua opinião e que apoiavam nossa decisão. Um ano e meio mais tarde, quando um grupo de 7 ou 8 quadros foram fazer um curso de formação no PST, Moreno fez questão de se autocriticar publicamente pelo que tinha dito. Esta era uma marca que muitos já salientaram, que era a capacidade de reconhecer os próprios erros. De qualquer forma, a repressão naqueles anos, a sorte que tivemos de não termos sido apanhados não deveria minimizar a importância daquele conselho…

Voltei a vê-lo em princípios de 1976, quando fui realizar um curso sobre a Revolução dos Cravos em Buenos Aires. O ambiente era sombrio. Vários camaradas haviam sido assassinados e o cerco de fechava sobre a esquerda. Na ocasião estive presente em uma reunião de ruptura com um velho camarada do SWP americano, Eduard Shaw, que havia sido marinheiro durante a Segunda Guerra. O assunto era o processo revolucionário em Portugal e Moreno se opunha à linha do SWP. O que me deixou espantado naquela reunião, e o manifestei, foi a violência verbal da discussão. Os gritos de Moreno ecoavam por toda a sede. Não me agradaram, embora tenha entendido a gravidade do tema e ter me posicionado a favor de sua posição. Posteriormente foi sempre um dos aspectos na corrente por ele animada que me desagradavam e desagradam até hoje. Não que os debates não devam ser francos e duros, é que às vezes o tom substitui o conteúdo e impede um debate sem intimidações.

Fomos almoçar em um restaurante no centro de Buenos Aires e ele me advertiu que a situação no país estava muito instável e que poderia haver um golpe, o que realmente ocorreu em pouco tempo.

A outra ocasião que me ocorre mencionar foi quando nos encontramos na prisão em 1978. Ele tinha sido preso na mesma ocasião que toda a direção da Convergência Socialista. Estávamos em greve de fome, justamente para evitar que ele fosse deportado para a Argentina, onde seria certamente assassinado. Falamos através das grades do banheiro da cela, que davam para o pátio, onde ele e sua companheira Rita, também presa, faziam sua caminhada.

Chamou-me a atenção como estava bem-humorado. E depois pude ouvir por uma porta entreaberta durante um interrogatório policial quando dava, com toda a calma do mundo, depoimento a um enviado do poderoso Golberi do Couto e Silva, explicando qual era a linha política da Convergência Socialista, o nome de nossa organização naquele tempo. O último contato ali foi quando terminamos nossa greve de fome, porque ele seria expulso para a Colômbia onde morava e não para a Argentina, quando fizemos a refeição em uma sala especial.

Moreno tinha uma habilidade muito importante de procurar aproveitar os militantes onde mais se sentissem à vontade e procurar que as relações não se rompessem. Foi essa uma das dúvidas que mencionou ao final de sua vida na entrevista transcrita no livro “Conversações com Moreno”: se não tinha sido demasiado arrogante e privilegiado “exercer a verdade em abstrato”, ou seja, sem levar em conta que o debate se fazia com militantes de carne e osso que poderiam ter condições de retificar suas ideias e, fundamentalmente, que ele próprio poderia estar equivocado.

Recordo-me de um momento em que eu estava bastante desanimado. Estávamos em agosto de 1982. O grupo dirigente da Convergência Socialista, por orientação de Moreno, percebeu que tínhamos vários companheiros jovens que estavam profissionalizados há muito tempo e que seu número era muito superior ao razoável pelas dimensões da organização. Aliás, esta foi a outra dúvida que expressava Moreno ao final da vida: se não havia profissionalizado demasiados companheiros, o que gerava graves deformações na vida das organizações. A busca de trabalho não foi fácil, era o momento de uma grande recessão no país.

Ao final do ano, sem que eu tivesse conseguido trabalho e tendo dificuldades de cumprir as tarefas complicadas de uma campanha eleitoral com a legenda do PT, ele fez o que muitas vezes fazia: ofereceu um desafio para ver se conseguia reanimar um camarada em certa crise: propôs que fosse à Bolívia, ajudar o pequeno grupo morenista no momento em que caía a ditadura por meio de uma greve geral de 15 dias dos mineiros.

Abriu-me as portas para um dos processos políticos mais interessantes que conheci e um dos proletariados mais combativos e tradicionais do continente, mesmo que desconhecido da maioria. No início de 1983, quando passamos por Buenos Aires, eu e minha companheira à época, Ana Cristína, na casa em que vivia ainda clandestino em Buenos Aires, na rua Campichuelo, contou-nos sua experiência na Bolívia, ainda nos anos 60. Tinha histórias que pareciam de lenda: contou como quando foi preso na Bolívia por conta do assalto a um banco do grupo que estava a ele ligado no Peru.E contou como exigia dos carcereiros para falar com o presidente da República, então Victor Paz Estenssoro, do MNR. Pensavam que era louco, mas depois de muito insistir, conseguiu enviar uma mensagem ao presidente e foi solto no dia seguinte e colocado em um hotel como hóspede de honra do governo. Moreno tinha alertado Victor Paz sobre a iminência de um dos inúmeros golpes militares contra o governo e obtivera esse reconhecimento tardio. Tinha enormes expectativas no proletariado mineiro da Bolívia.

Naquela ocasião, mencionei que Hermínio Saccheta, que tinha sido dirigente do grupo trotskista depois que rompeu com o PCB em 1938 –  a quem visitei com José Welmovicky -, quando dissemos que éramos ligados a Moreno, disse: “Ah, Moreno, de Avellaneda, era o melhor deles!”. Ao que Moreno exclamou: “viu como não era mentira o que te falei sobre ter ido ao Brasil dar cursos a operários nos anos 1950?”. Assim era Moreno…

Esteve nos visitando em La Paz, entusiasmado pelo trabalho, apesar de sermos, em 1984, um pequeno grupo. Como se não bastasse, havia dois grupos morenistas, os bolivianos, que faziam entrismo em um partido reformista e eram dirigidos por Pablo Solon, que depois foi organizador do movimento que levou Evo Morales ao governo (e que no ano passado fez uma importante autocrítica sobre os caminhos de Evo) e um grupo de estrangeiros que trabalhava de forma independente. A ideia era unificar ambos os grupos e romper com o partido reformista, o PS1, fundado por Marcelo Quiroga Santa Cruz, ministro de energia do general nacionalista Torres, e assassinado pela ditadura de Garcia Meza, recém derrubada. Mas como acontece muitas vezes, os que estavam dentro do PS1 não queriam romper, mesmo que o partido estivesse adaptado ao governo de Frente Popular de Silez Suazo.

Moreno fez então um de seus teatros: levantou-se, e aos gritos chamou a que saíssemos com ele dizendo que rompia relações e ficaria só com os estrangeiros e que seríamos muito maiores em pouco tempo. Claro que os camaradas recuaram e os grupos se unificaram. Assim era o velho Moreno. Apaixonado, duro nos debates, mas que não colocava as disputas passadas como empecilho para a colaboração política estreita.

Ressalte-se que ir à La Paz para ele era um risco, pois a altura lhe causava problemas por ser cardíaco e tive que procurar às pressas a atenção do irmão de Pablo Solon, o Waltico, que era médico, pois estavam todos os companheiros ausentes em um congresso dos mineiros. Mas a sua paixão pela luta dos trabalhadores da Bolívia o fazia arriscar a vida.

Há duas atitudes que me parecem equivocadas ao encarar a trajetória e a herança de Moreno. A idolatria, o culto às palavras e ideias que fez e faz muito mal a qualquer marxista e creio que ele seria o primeiro a se opor a isso. Mas as críticas apressadas também. Os grandes dirigentes históricos devem ser compreendidos como frutos de seu tempo, com seus aspectos fortes e fracos. Muitas vezes, as críticas são devidas à inúmera quantidade de táticas que Moreno empregou para tentar construir organizações revolucionárias contra as pressões oportunistas, mas também as ultraesquerdistas, que liquidaram valiosos quadros revolucionários nos anos 60 e 70 na América Latina.

Há alguns meses, um historiador marxista argentino, Daniel Gaido, revelou uma carta de Moreno a Perón que se encontra na Fundación Pluma na Argentina, quando Moreno estava preso na Argentina, em 1962, e ameaçado de ser condenado a uma longa pena por sua suposta implicação no assalto ao banco no Peru. Sem comunicação com sua organização, Moreno escreve diretamente a Perón para tentar mediar sua libertação. A carta nos mostra Moreno como parte do Partido Peronista, onde fazia um tipo de entrismo centrado nos organismos sindicais do partido, mas com subordinação formal a Perón. A carta pode ter sido uma boa ideia, pode não ter sido, pode ter sido um pouco demasiadamente deferente ao General, mas não me somo aos que apressadamente tentam caracterizá-la como prova do oportunismo de Moreno.

Naquele 25 de janeiro de 1987, estava em Belo Horizonte, como parte de mais de 20 camaradas transferidos para apoiar o trabalho entre os metalúrgicos de BH e Contagem, cujo sindicato havia sido ganho por uma chapa dirigida por militantes da Convergência Socialista. O Catatau, dirigente da regional e hoje dirigente do MAIS, nos chamou e deu a notícia. Ficamos todos muito abalados. Eu fiz o meu ritual de luto, relendo a biografia do Trotsky pelo Victor Serge e à tarde fomos informar o ocorrido a uma reunião ampla de militantes. Tanto o Zé Maria, dirigente do PSTU, como eu choramos ao tentar contar aos camaradas. Um dos grandes tinha se ido. Estávamos em uma situação muito difícil.

Mas nem imaginávamos as dificuldades que teríamos com a queda do stalinismo, com o enfraquecimento qualitativo da ideia do socialismo, com a divisão infindável da própria corrente morenista e da longa diáspora que se seguiu. Mas os que sobrevivemos, devemos muito às bases políticas, teóricas e metodológicas herdadas do Velho. Essa dívida não me faz menos crítico nem menos aberto a considerar suas limitações. Mas só os tolos, pedantes e pouco sérios misturam os erros com o balanço de um dos gigantes do trotskismo do pós-guerra.

 

Waldo Mermelstein - Esquerda Online