MAS

Início Nacional Nacional Governo PS permite que aumento do salário mínimo seja pago com as reformas

Governo PS permite que aumento do salário mínimo seja pago com as reformas

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Governo PS

O Governo PS, apoiado por BE e PCP, permite que aumento do salário mínimo seja pago com as reformas dos trabalhadores.

De acordo com dados da Comissão Europeia, desde 2014, o número de portugueses que recebem o salário mínimo nacional (“SMN”) aumentou 60%1.

No presente momento, há perto de 1 milhão de portugueses que recebe o SMN – 530€. Ou seja, cerca de 20% da população ativa portuguesa vive com 530€ mensais. É um dos SMN mais baixos da UE e da Europa. Atrás de nós só os países do Leste europeu. O aumento do salário mínimo para além de urgente e necessário, é uma questão de justiça social. Só este governo injetou 2,5 mil milhões de capitais públicos no Banif e prevê injetar mais 4 mil milhões de capitais públicos na CGD, já para o SMN o aumento terá de ser o mínimo possível.

Perante estes dados, o aumento do SMN em 27€, dos 530 para os 557, propostos pelo Governo PS, para 2017, é ridículo. Os 27€ de aumento do SMN não chegarão sequer para pagar os aumentos em combustíveis, transportes, eletricidade, água, etc. Recordemos que para a nova administração da CGD, o governo defende, orgulhosamente, salários na ordem das centenas de milhares ao ano...

Mas a situação é ainda mais ridícula se considerarmos que aquele aumento do SMN será feito por contrapartida da redução da TSU, paga pelos patrões, em 1%. Ou seja, o aumento do SMN será financiado através da Segurança Social, através das reformas de quem trabalha. Por outras palavras, serão os próprios trabalhadores a retirar da sua futura reforma para pagar o atual aumento do SMN.

Os patrões, avarentos, propuseram que o SMN aumentasse dos 530€ para os 540. O Governo PS propôs o aumento para os 557€, sob a condição de ser pago pelos próprios trabalhadores. E BE, PCP, CGTP e UGT aceitaram, uns satisfeitos e outros assobiando para o lado.

Mais, a partir de 2018 os aumentos do SMN serão faseadas e ficarão dependentes da situação económica do país. Nada garante que se alcance sequer os 600€ mensais.

Aliás, se nos recordarmos bem, a CGTP, já em 2009, exigia o alcance do SMN de 600€ até 2013, tendo acordado com o Governo Sócrates o aumento do SMN para 500€, até 2011. Este acordo não foi cumprido, entretanto já se ultrapassaram os 500€, mas estamos a chegar a 2017 e ainda não estamos perto dos 600€ de SMN.

 

Ao BE e PCP dirigimos a seguinte questão: alguém viu a “esquerda” por aí?

Tanto BE como PCP tinham como propostas de campanha eleitoral os 600€ de SMN. Pelo meio, o PS e os patrões, com a conivência de BE e PCP, têm feito o que querem para adiar e, em última instância, até evitar o aumento do SMN para aquele valor.

O BE parece estar satisfeito, pois “a proposta é fiel ao acordo com o BE”2, diz-nos o deputado do BE, José Soeiro, desde que atinja os 600€, durante a legislatura – o que dão por garantido. Nós questionamos: estão satisfeitos com este aumento, mesmo que seja pago pelos próprios trabalhadores? Sob as condições que o Governo PS agora delimita (faseamento e dependência da conjuntura), que garantia temos de alcançar os 600€?

De acordo com o Jornal Público de 21.12.2016, “’desde que se alcancem os valores acordados, não há uma violação do acordo’, acrescenta José Soeiro”.

Quanto ao PCP, mesmo não tendo qualquer acordo com o PS sobre o SMN, pouco ou nada disse ou fez sobre este ridículo aumento do SMN e a forma como será feito. Limitou-se a aprová-lo.

A esquerda está cada vez mais dócil e o Governo PS agradece, assim como os patrões. É necessária uma esquerda mais reivindicativa, mais combativa, que nos permita conquistar níveis de vida dignos.

O aumento do SMN para os 600€ é urgente. E mesmo este, é um valor miserável para quem tem de sustentar condignamente uma família. É necessário que a esquerda seja mais exigente, que vá mais longe, que para além de criticar, enquanto aceita todas as condições propostas, estabeleça um plano de luta, como forma de pressionar o Governo PS a criar as devidas condições mínimas de vida.

http://expresso.sapo.pt/revista-de-imprensa/2016-09-20-Quase-um-milhao-de-portugueses-recebem-o-salario-minimo.-Bruxelas-critica-novo-aumento

https://www.publico.pt/2016/12/21/politica/noticia/governo-concertou-com-bloco-cedencias-no-salario-minimo-1755592

 
Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Contacta-nos

Email: mas@mas.org.pt

MAS nas redes sociais:

facebook_iconyoutube_icon

Boletim electrónico do MAS

Subscreve o boletim electrónico do MAS e com conta, peso e medida receberás informação das novidades da nossa página.