MAS

Início Nacional Opressões

Opressões

Machismo na Educação

Machismo na Educação

A Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género já recomendou a retirada dos cadernos de actividades para "os meninos" e para as "meninas", da Porto Editora.

Ler mais...

"Somos uma organização que tem o orgulho de meter o dedo na ferida"

As opressões não existem desde sempre, não são características do ser humano. São construções sociais que servem o propósito de cortarmos todos os laços de afinidade da maioria, que é a classe trabalhadora, em relação à outra parte da humanidade que é a classe exploradora.

Ler mais...

"No mundo da opressão só somos livres se lutarmos para acabar com essa opressão"

O nosso objectivo aqui é despertar consciências. Queremos fazer lutadores e lutadoras. O capitalismo diz-nos todos os dias que somos objectos da História, que as mudanças da sociedade não dependem de cada um de nós. Mas dependem. 

Ler mais...

Governo nega autorização de residência a imigrantes com contrato de trabalho

Governo nega autorização de residência a imigrantes com contrato de trabalho

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a polícia de fronteira do Estado Português,  retirou a milhares de imigrantes a possibilidade de concluir com sucesso o processo de atribuição de autorização de residência.

Ler mais...

Ataque em Orlando é um ataque às LGBT

Ataque em Orlando é um ataque às LGBT

O ataque do passado Domingo foi um ataque a todas as Lésbicas, Gays, Bissexuais e Trans. O MAS condena totalmente este acto bárbaro e solidarizamos-nos com as vítimas, suas famílias e todos e todas que sentiram “podia ter sido eu”.

Ler mais...

Parlamento vira costas aos 17 ativistas condenados em Angola

Parlamento vira costas aos 17 ativistas condenados em Angola

Um escandaloso virar de costas à luta do povo angolano pela democracia e por condições de vida dignas num país pleno de riquezas naturais refém de uma elite dirigente corrupta.

Ler mais...

Portugal: população negra, população invisível

Portugal: população negra, população invisível

O Estado português não elabora ou não divulga dados estatísticos sobre a comunidade negra no país e alimenta a crença de um Portugal não racista que trava a luta por direitos iguais e contribui para a não existência de verdadeiras políticas de inclusão.

Ler mais...

Violência e racismo na Cova da Moura

Violência e racismo na Cova da Moura
Polícia espanca jovens negros e inventa “pseudo-invasão de esquadra” para justificar tortura.
Ler mais...

Junho é mês de marchas pelos direitos LGBT

Junho é mês de marchas pelos direitos LGBT

Nos sábados de junho vão ter lugar as marchas de Braga (14), Lisboa (21) e Porto (28). Estas levam à rua o combate à discriminação sobre as pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais e Trans (LGBT). Depois de alguns avanços legais e de uma maior aceitação social das pessoas LGBT estamos muito longe do que queremos.

Ler mais...

Pelo direito à família sem homofobia

Pelo direito à família sem homofobia

O que é a Coadoção?

A coadoção contempla famílias já constituídas. Ou seja, filhos adotados ou biológicos de um dos elementos do casal (de anteriores relacionamentos ou adotadas individualmente) ser coadotado pelo actual companheiro ou companheira que já tem um papel de pai ou mãe destas crianças.

Ler mais...

Dia Internacional da Mulher

Dia Internacional da Mulher

Viva a Revolução Árabe!

Viva a luta de todas as trabalhadoras do mundo!

Saudamos as lutas das mulheres trabalhadoras de todo o mundo, em especial as protagonistas da revolução árabe.

 

Ler mais...

Mais um caso de violência policial: até quando durará a impunidade?

Mais um caso de violência policial: até quando durará a impunidade?

No dia 14 de Junho, os rappers Hezbollah e LBC foram espancados pela PSP. Por volta das 5 horas da manhã, foram abordados junto à estação da Amadora, alegadamente por terem participado num episódio de violência com outros jovens. Foram algemados e agredidos na rua por policiais, que antes já tinham

Ler mais...

Não à violência policial!

Não à violência policial!

Na madrugada de terça-feira dia 25 de Maio, um jovem de 19 anos e uma jovem de 18, foram espancados por quatro agentes da PSP junto ao Largo Camões em Lisboa.

Eram 3 da manhã quando os dois jovens estudantes de uma universidade de Lisboa se encontravam próximos daquele local e foram abordados por um agente à paisana, que não se identificou, supostamente por estarem a provocar ruído com um caixote do lixo. Após uma acesa troca de palavras, o suposto agente empurrou a jovem para o chão, momento em que chega um carro-patrulha com outros agentes fardados, também sem identificação, que ponteaparam o jovem no chão fracturando-lhe o maxilar superior direito e provocando-lhe outras lesões menores na cabeça. A jovem tambem foi agredida.

Os dois estudantes foram então levados para a esquadra da PSP da Praça do Comércio, onde foram proibidos de contactarem o exterior. O jovem, sangrando da boca, assim que foi libertado, deslocou-se pelos próprios meios até ao Hospital de São José, onde esteve internado três dias e onde ntervencionado cirurgicamente ao maxilar fracturado.

A PSP contactada pelo jornal Público e pelo pai do jovem, negou terem existido quaisquer agressões e recusou identificar os agentes da patrulha. O Bloco de Esquerda, através da deputada Helena Pinto, já dirigiu uma carta ao Ministério da Admnistração Interna a pedir explicações e a perguntar se este irá agir no sentido de identificar os agentes e saber se irá tomar medidas para os punir disciplinar e criminalmente.

Infelizmente, casos de brutalidade policial absolutamete injustificada como este, repetem-se no quotidiano da nossa sociedade, sobretudo quando se trata de jovens, negros, descendentes de imigrantes e residentes de bairros populares. Esperemos que neste caso, assim como em outros se faça justiça. Domingo, dia 30 de Maio às 17 horas está marcada uma concentração contra a violência policial no Largo de Camões em Lisboa.

MC Snake, mais uma vítima do racismo contra os jovens negros dos “bairros”

MC Snake, mais uma vítima do racismo contra os jovens negros dos “bairros” “O Snake era negro, rapper, de Chelas. Cria-se um estereótipo. Se fosse branco e usasse gravata, teriam disparado?” Com esta pergunta-resposta, o rapper Sam The Kid, amigo e parceiro de Snake, resumiu à imprensa o que aconteceu com o jovem músico morto com um tiro nas costas pela PSP no dia 16 de Março, em Lisboa.
Ler mais...
Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Contacta-nos

Email: mas@mas.org.pt

MAS nas redes sociais:

facebook_iconyoutube_icon

Boletim electrónico do MAS

Subscreve o boletim electrónico do MAS e com conta, peso e medida receberás informação das novidades da nossa página.